terça-feira, 24 de março de 2009

Em cartaz: Terezinhas

Desta vez não era uma peça. Bem, talvez fosse, depende do ponto de vista. Era mesmo um espetáculo de dança com uma história bem bacana. Não que a dança não fosse. Ao contrário, era bem boa.
Não costumo assistir a apresentações de dança e tudo o que eu assisti não tinha um enredo. Contudo, vou falar do que eu gostei.
Primeiro, a história: sobre mulheres. Era baseada na vida de uma mulher apenas (que, inclusive, estava presente na platéia) e, talvez por isso, a gente sentia uma identificação, um afeto, com o que se passava.
Além disso, algumas das dançarinas (sim, eram só mulheres) tinham uma expressão facial muito boa. Eu, no meu humilde e ínfimo conhecimento sobre dança, acredito que a expressão corporal é o principal nesta arte. Porém, há uma diferença gritante quando é trabalhada a expressão do rosto também. Teve uma das meninas, a Fernanda, que me passou uma emoção muito grande durante o espetáculo. Tudo por causa da expressão do rosto. Ah! E a noiva também. Ela realmente chorou em cena.
Minha pequena experiência com dança não me permite falar muito mais do que isto. Mas, a produção foi muito boa. O grupo Meme está de parabéns. Gostei um monte do cenário, e a cena com as velas foi bem interessante.
Só pra explicar: elas entravam em cena com velas entre os dedos, 2 ou 3 em cada mão, e sentiam a cera quente escorrer e pingar nos dedos. E aguentar a dor sem esquecer o roteiro não dever ser tão simples assim.
Enfim, por enquanto é isso.

Até a próxima.

2 comentários:

.: Guilherme Kamui :. disse...

Siiim!
A expressão corporal e facial num espetáculo de dança é tão importante quanto a dança das mãos ou dos pés.

Faz tempo que não vejo nada involvendo dança, e olha que eu gosto.

:***

Guilherme disse...

se ponha no lugar delas mais uma vez, suportando a cera quente nas mãos e tendo que manter a concentração! ^^
parabéns pra elas, não?