segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O Alemão e o Brasileiro

O assunto do momento é o Alemão. O Complexo. Na última semana, todos os olhos estavam voltados para o Rio de Janeiro e a guerra no morro. Ou, a maioria dos olhos. Todo mundo quer saber e dar sua opinião sobre o que está acontecendo lá. Até o Lula disse que vai visitar o Alemão.
Falando em Lula, fiquei pensando numa coisa: há menos de um mês, tivemos o segundo turno das eleições federais e estaduais. Tudo estaria resolvido, não fosse a Ficha Limpa, o Tiririca e outras coisinhas mais. Daí, passamos um bom tempo falando nisso em todos os meios de comunicação. “O Tiririca não sabe ler”, “ele sabe” e assim por diante. E tudo foi se enrolando, enrolando...
De repente, estoura uma guerra no Rio. Automóveis pegando fogo, Bope subindo o morro, tanques de guerra, traficantes correndo... Ninguém mais sabe o que está acontecendo lá no governo. Ninguém está muito interessado também. Nem eu. Eles podem fazer o que quiserem lá muito mais facilmente porque as pessoas querem ver o Rio, o espetáculo do morro. A mídia só mostra isto o dia inteiro. As notícias nos sites também são sobre isto. Os rolos que vão decidir quem vai mandar no nosso país está em segundo plano agora. Porque o Rio é uma notícia muito mais forte.
Não acho que a guerra no Rio seja conspiração ou algo assim, mas mudou o foco da população. Claro que é uma escolha das pessoas se informar sobre isso ou aquilo (apesar da enorme influência da mídia sobre isso). Também já estou cansada de toda essa politicagem. Não importa quem assume o poder, a situação cá embaixo não muda tanto. As pessoas ainda passam fome, estão desempregadas, precisam de saneamento, saúde, educação, casa, segurança. Mas, no fim, estamos novamente tratando os sintomas e não as causas.

2 comentários:

Luana Conti disse...

Santa internet...Só por ela me sinto consolada em perceber que não sou eu penso assim. E, quer saber? Não duvido que tenha rolado um sensacionalismo a mais por pura estratégia de desvio de atenção. Mas como você disse, é preciso tratar as causas, pois com tudo isso, o que não muda é a situação de quem não tem muita possibilidade de giro.

Gostei,
L.

Viko disse...

e vai continuar assim por muito tempo, se tratando dos sintomas e não as causas.

As medidas tomadas para resolver isso, estão digamos a passo de formiga. Vai levar muuuito tempo pra percebermos algo.
As prefeituras elas tocam projetos. mas é numa velocidade... e de pouquinho em pouquinho.